Thursday, December 03, 2009

inteireza, moço

"A vida devia ser como na sala do teatro, cada um inteiro fazendo com forte gosto seu papel, desempenho." Guimaraes Rosa

E é assim que devia de sê a vida, sabe moço. Ninguém nunca que podia sê pela metade, em nada que fosse e fizesse. Ninguém nunca que deveria não tá inteiro. Eu gosto é de intensidade e de inteireza. Eu gosto é de olhá nos olhos. Eu gosto é de pegá na mão e apertá forte. Assim a pessoa sabe que eu to ali, só com ela. E a cabeça moço, devia sempre de tá no lugar onde tá o pé, o coração, o olho. Essa coisa de cabeça voando só quando a gente tivesse sonhando, ou fazendo nada, qué dizê, quando a gente tivesse em momento de voá a cabeça mesmo. Eu não entendo moço, essa coisa de tá aqui mas não tá. Essa coisa de não sê completo. De não gastá tudo no presente, até a última gota do sentimento. Porque a gente dorme, e noutro dia acorda com tudo novinho em folha. Então que medo é esse de ficá sem? Coração não é papel de dinheiro que voa, gasta, acaba, perde. Coração tá sempre aqui batendo no peito. Forte e fraco. Mas tá sempre. E coração segue o amor. E o amor moço, é sempre agora. Eu to de birra com quem pensa mais no amanhã, e mais birra moço eu tenho, de quem pisa em qualqer chão querendo tá noutro. E maior birra moço, é de quem vive a vida pela metade, e olha tudo com olho nublado. Assim quero não!

A minha singela homenagem ao Guimarães e às pessoas, todas elas, que se entregam em tudo o que fazem! Eu acho isso lindo! E a vida é boa!

1 comment:

Fabiana Lazzari said...

Tens que ser lembrada sempre né amiga!
hahaha
AMO-TE!
Bjins