Wednesday, October 28, 2009

inversão da lógica ou a comunicação truncada

Com você eu fugiria para qualquer lugar!

Mas você não entende, fugir é um ato, geralmente, solitário.

Geralmente, não necessariamente.

Você não entende!

Eu entendo sim, entendo que você não quer mais segurar a minha mão em uma tarde de quarta feira, e não tem coragem de dizer a verdade, com palavras curtas e grossas...então você inventa um estado de fuga em você mesmo.

Não é verdade!

Claro que sim. Sabe o que eu acho pior? Você poderia ter inventado outra coisa. Tipo, ah você é boa demais pra mim, ou é que estamos em momentos muito diferentes, ou eu sou melhor amigo que namorado, ou eu não sei lidar com meus sentimentos. Mas essa de fugir, foi uma alegoria sobre si mesmo, que me dá vontade de rir muito.

Eu realmente preciso fugir. De verdade. Se pudesse levaria você comigo. Mas não é possível. Essa é uma fuga solitária. Eu só vim aqui me despedir. Dizer que amei você e amo, de uma maneira que nunca amei e nem amarei ninguém. Eu só queria poder dizer isso.

Você acha que me engana. Seus olhos fogem dos meus, porque você inventa uma fuga pra camuflar a sua fuga original. Porque você não fala que não quer mais e ponto? Vai ser mais fácil pra mim.

Eu não mentiria pra você. Nem que fosse pra deixar as coisas mais fáceis. (...) Mas sabe o que me estristece agora? É que realmente eu vou fugir com um peso a mais na alma. Você não me ama!

O quê?

É. Você ama estar ao lado de alguém, não ser sozinha. Ter alguém para exibir pra sua família, suas amigas. Você prefere que eu minta para tornar tudo mais fácil para você. Você não confia em mim. Por um minuto passou pela minha cabeça te convidar para fugir comigo. Mas você ainda precisa amar alguém de verdade, pra poder fugir pra algum lugar!

Você é um babaca.

Que bom, temos algo em comum! Desejo que você seja muito feliz!

Pois eu prefiro que você morra!

Seu desejo é uma ordem!

[O rapaz de All'Star vermelho se joga da janela onde discutiam. O décimo quarto andar de um prédio comercial da principal avenida da cidade, que era grande. Ela fica em estado de choque. Ele realmente estava falando a verdade. Planejava uma fuga eterna, de todos os medos e frustrações que tinha na vida. Talvez o maior medo de todos, fosse o de amá-la, porque doía e pesava tanto a sua alma, o pânico de perdê-la, que no fim ele se jogou leve, pensando que ela não o amava. E mais leve ainda, porque pela primeira vez assumiu e disse olhando nos olhos, que a amava mais que tudo. Ela ficou ali, parada, sem saber de sí].

Para alguns amar é morrer, assumir que ama é voar. Um vôo cego em direção ao nunca, ou ao sempre!





No comments: