Friday, May 15, 2009

o resto

Invertendo a lógica de pensamento, ando descobrindo que as pessoas verdadeiras são mais reconhecidas nos momentos de exuberante algeria. Naqueles mesmos em que estamos irradiando uma energia devastadora - devastadora aos que não podem suportá-la a não ser em si mesmos. Sempre dizemos que reconhecemos nossos verdadeiros amigos na dor, por exemplo. Mas isso num mundo passado até poderia se fazer verdadeiro, mas hoje, num mundo onde dor, tristeza, perdas e depressões se tornaram lugar comum, raros são aqueles com os quais podemos compartilhar um momento alegre, sem que tenhamos de volta flechas de reprovação, julgamentos, pedidos de calma, olhares de inveja e repressão. As pessoas não estão preparadas para a felicidade alheia, isso é fato - talvez porque elas não estejam preparadas para a própria felicidade.
Graças ao bom universo, presencio pessoas que brilham o olho com a glória do próximo, que vibram ao saber de boas novas do camarada, que saltam alto do chão pela vitória tão esperada, não dele, mas do irmão. Raros são esses seres que sabem estar próximos na alegria. Mas próximos, de uma proximidade que acrescenta, conforta, divide, comunga. Próximos não de uma proximidade fofoqueira, ou sugadora, próximos não de uma proximidade que não tem o tamanho da felicidade de quem os convoca. Próximos apenas para compartilhar o momento bom de quem está ao seu lado, sem levar nada mais que um contentamento no coração.
Estar junto na dor é fácil, é até terapêutico, porque percebe-se que todos estão no mesmo barco, e as coisas ruins não são delegadas só a sí. Vai dizer quem nunca se confortou ao ouvir alguém contar a merda em que se encontra. Quem nunca disse para si mesmo: Ufa não é só comigo então! Vez ou outra é favorável compartilhar tristezas, e faz bem perceber que não estamos sós nas prisões mundanas, mas isso vira patologia, falta de caráter, ou pura baixeza de espírito mesmo, quando a pessoa só sabe estar junto na trsiteza, e não para ajudar, mas para sentir-se melhor. O egoísmo impera então.
Estou desde o último post tentando escrever algo sobre respeito, sobre amor, sobre liberdade, mas nada me vinha à cabeça. Ando refletindo muito nesses últimos dias sobre a falta de capacidade do ser humano em respeitar o outro, em amar o outro e ser simplesmente levado pelos sentimentos bons. Tenho refletido como as pessoas têm a necessidade de destruir elos, amores, pactos de respeito e admiração, em prol de suas fraquezas, em prol de suas frustrações.
É como se o desenho não tivesse dado certo, e para tirar a sensação de erro da sua frente, fosse preciso rasgar o papel. Não se tem mais desenho, errado ou certo, com linhas retas ou tortas, colorido ou todo trabalhado no preto, apenas não se tem mais nada, nem mesmo a folha em branco para recomeçar, nem mesmo a folha suja para lembrar.
Espero que as pessoas se escutem mais antes de sairem cuspindo palavras bestas que negam o que um dia foram, ou disseram ser. Espero mesmo que se respeitem mais. Exigir respeito é fácil, retribuir na mesma exigência é que são elas. Eu só espero que essas pessoas possam ser felizes, sem precisar do outro triste para tal, que possam ser livres sem precisar prender alguém, que possam viver suas vidas sem negar seu passado, e que respeitem todos os que lhe interviram no caminho, porque cada um, ao meu ver, tem sua importância, e nada, além do farelo de pão que fica na mesa depois do café, é resto...aliás nem mesmo o farelo, porque se o jogarmos na calçada, algum passarinho há de querer.
Este texto é pra você, certamente o último que eu lhe dedico. Se voltar ao blog, alguns muitos posts atrás, verá que existem vários textos pra você, talvez muito mais delicados e poéticos que este, mas do resto, só resta restar, então isso são as últimas palavras que lhe ofereço, sem raiva, nem nenhum outro sentimento além da vontade de estar bem longe!!!!

4 comments:

Misterious Girl said...

lindo... as pessoas ficam presas ao orgulho ferido, as magoas e defeitos e nao conseguem se libertar, relevar e sentir prazer, alegria e felicidade, mesmo q por um conhecido, ate as vezes um amigo, pois como tu disse, inveja de felicidade e de qdo tdo da certo, é oq mais se ve hj em dia e em quem menos se espera!
Beijos e seja feliz sempre

Roberto Ney said...

Tenho que concordaR com você. Estar junto na dor é importante, mas também é conveniente. Agora vibrar com as vitórias, comemorar as alegrias, aí sim é altruista. Poucas pessoas conseguem ver apáticas o sucesso do outro. A maioria delas vislumbra nesse sucesso, o seu fracasso. Isso é a famosa e famigerada inveja, em mais uma de suas inúmeras faces.
Obrigado por linkar meu blog, viu!
Fico feliz que vc esteja gostando...
Saiba que a recíproca é verdadeira.

Roberto Ney said...

percebi pelas músicas, livros e filmes que temos muitos gostos em comum... tambem fiz minhas listas lá no blog.

Fabiana Lazzari said...

ai querida!!
Saudades de tiiiiii!!
Como sempre tuas palavras são lindas!! Consigo sentir o que estás sentindo!
amiga...Bola pra frente, que atrás vem gente e pra ti diria ainda que ao lado vem muita gente contigo para ficar feliz pelos teus sucessos!
E sim...como no post passado:
"Fins são começos..."

Bjocas
Te amooooooo!