Monday, May 04, 2009

fita amarela

A moça soltou a fita que lhe prendia os cabelos.
Deixou correr no ar o amarelo ouro, que levado pelo vento, deixava rastros de felicidade pelo céu.
O céu azul e o sol da fita dos cabelos da moça.
A moça que voava, voava, e voava.
Os cabelos soltos, iam como que lhe conduzindo rumo ao desconhecido.
Um desconhecido que lhe deixava o estômago todo formigando.
Eram tantas as pedras coloridas pelo caminho.
Chegando perto do campo de girassóis a moça quase não viu a borboleta amarela que pousava confundida com a flor.
Mas ela, a moça, andava atenta, apesar da leveza, e sem nenhuma pressa parou e observou a pequena borboleta.
Batendo as asas a borboletinha amarela pouso em seus cabelos, formando um penteado muito delicado.
Assim a moça teve certeza de que a fita lançada ao vento, virou borboleta num bater de asas.
E agora ali estava a sua felicidade pousada nos fios escuros, bem no meio do campo de girassóis.
Com aquele penteado a moça voou ainda mais alto e foi ver por onde andava a liberdade.

1 comment:

Raquel Stüpp said...

tô meio boba por dois motivos

primeiro pq esse texto é lindo lindo
segundo porque há umas 2 semanas, todos os dias entre 13:00 e 13:15 duas borboletas amarelas vem visitar uma flor que fica perto da minha sacada... e eu fico la, olhando pra elas, até elas resolverem procurar outro destino. todo dia, todo dia....
e eu em pensamento escrevo um textinho todo dia em homenagem a elas...
enfim, tu já o fez.
e a partir de amanha, qnd elas chegarem, além de admirá-las e super viajar nos meus pensamentos, eu vou, inevitavelmentel, lembrar de ti. :)
estou tão querendo tua companhia hoje, mais que todos os dias
te amo
beijos muuuuuuuuuuuu