Saturday, April 11, 2009

saudade

Saudade; das nossas tardes a três, dos nossos planos divertidos, das nossas artimanhas. Saudade da velha infância, saudade do ontem quando estávamos mais perto, saudade do que há de mais seguro e verdadeiro nessa minha vida. Saudade dos bilhetinhos com poesias e mensagens profundas, pouco entendidos por uma menina, mas hoje tão significativos - ainda bem que guardei. Saudade dos socos, das brigas, dos carrinhos, das lutas de comandos em ação. Saudade de poder dizer "eu te odeio" com o olhar de quem diz "eu te amo" sem medo, por saber que passados cinco minutos, tudo estaria como estava antes. Saudade de quem me conhece pela voz. Saudade da forma discreta de me amar. Saudade do jeito safadinho. Saudade de pegar no colo, de dar suquinho, de ser um pouco mãe. Saudade das performances na porta do meu quarto, das mentirinhas bobas, das discussões filosóficas que não nos levam a lugar algum - a não ser em direção a nós mesmos. Saudade do jeito manso que a gente estabeleceu, onde só no olhar eu sei que há preocupação, amor, carinho, saudade. Saudade de ouvir a voz de preocupação por saber que só me verá no domingo...saudade dessa simplicidade que a divisão de toda uma vida proporciona.
Saudade do ouvido, do ombro, dos conselhos, do apoio - que sempre está presente - dos mimos, da alegria de viver. Saudade do humor tão único, das brincadeiras, da verdade nua e crua. Saudade de brigar, de debater pontos de vista, de discutir política na hora do almoço, de ouvir histórias velhas repetidas vezes, e sempre achar graça. Saudade da histeria. Saudade de ter perto hoje, agora, pra já. Saudade do que já nos dissemos, do que nunca nos dissemos, do que não nos precisamos dizer.



Saudade deles, e de tantos outros. 

Hoje acordei com tantas saudades, que parece que fiquei pequena. Tão pequena a ponto de partir!!!!

2 comments:

Mariana said...

lindo texto! dificil colocar em palavras um sentimento que nos preenche tão absurdamente como a saudade né? sofro do mesmo problema!
tudo de bom e pensa que pelo menos tu podes dar uma matada nessa saudade de vez em qdo... e eu que so posso matar uma vez ao ano e olhe la?! ai ai...
bjuuus!

Raquel Stüpp said...

de arrepiar

de apertar o coração

e tb de sorrir.