Sunday, April 05, 2009

( e espaço entre o parentêses e o colchete ]

[flor amarela]

(compra pra mim uma flor?)

[flor de que cor?]

(qualquer uma, desde que seja flor)

[mas qualquer uma pode ser todas?]

(nunca parei pra pensar)

[outro dia fiquei vendo você dormir]

(e?...)

[fiquei sem coragem]

(sentiu medo?)

[não, só fiquei sem coragem]

(o jeito que você me fala as coisas, parece poesia)

[isso é bom né?!]

(depende)

[do quê?]

(do quanto da poesia é verdade)

[mas é poesia!]

(ainda assim, há que ser verdadeira)

[e a minha não é?]

(não sei, se eu soubesse não teria levantado a questão)

[hum]

(mas enquanto eu durmo, como pareço?)

[não prestei muita atenção]

(mas não estava fazendo só isso?)

[é mas, eu fiquei olhando pros seus pés]

(e?...)

[nada, só perdi a coragem]

(meus pés são desencorajadores?)

[de certa maneira são]

(porque?)

[por causa da curva]

(que curva?)

[do seu pé]

(ah...)

[ela se parece com um lírio]

(e tira a coragem?)

[tira, porque a curva do seu pé é muito bonita]

(e você fica sem coragem?)

[sem ar...]

(é a mesma coisa né?!)

[quase sempre sim...

3 comments:

Raquel Stüpp said...

fazia um tempinho que eu não vinha aqui.

gostei do que li, como sempre.

e me deu mais saudade de "ser" perto

Raquel Stüpp said...

e meu post acaba sendo consequencia do teu.
e claro, pode não ter coerência, mas tem sentido.

eu ando precisando conversar sobre as nossas conversas.

Raquel Stüpp said...

e o trio.
e o quarteto
mecoeanaquesaudade