Tuesday, December 02, 2008

uma aprendizagem, ou o livro da leveza

No silêncio da hora e da insônia, ela se perguntava se deveria pensar mais. Que coisa toda fora aquela que lhe arrancou o estômago?! Andava de um lado para o outro da sala. Na janela olhava as luzes apagadas dos apartamentos que deviam estar em paz. Sentia um nó. Teria saudade? Sim. Mas não sabia ao certo que fazer. Ficava entre se jogar ou não. Mas se jogar aonde? Já havia colocado os pés bem próximos, mas o abismo com medo de sua ânsia, mudou de lugar. Nem mesmo o abismo sobrevivia ao excesso de vida que carregava. Coragem? Estava acordada a noite inteira. Pensou em escrever, mas não lhe sobravam palavras. Pensou em ver TV, mas não lhe sobrava paciência. Desistiu de brigar e se entregou aos olhos que abriam cada vez mais. Enxergou um tanto de sí, que sofreu. Sentiu-se enfim dona de algo que não sabia bem o que era. O peito estava em desordem. A cabeça insistia em tomar a frente. As mãos sentiam falta. Onde andaria toda a naturalidade do início? Seria culpa sua essa ausência de agora? O que fazia para afastar até abismos? Quando achava que estava aprendendo algo, descobriu que faltava ser!!!!

2 comments:

Raquel. said...

tá, esse texto é meu?

até até até os sentimentos mais guardadinhos ficam em sintonia as vezes.
impressionante.


lindo!

carmona said...

será que a sensação do abismo é algo que acompanha os rituais de final de ano??

se bem que o meu texto, escrevi há muito tempo atrás. só que fiquei com vontade de publicar agora (vai entender essa cabecinha né?).

a gente pode debater isso ao vivo, daqui uns dias!!
beijo ermããã!