Friday, February 15, 2008

AnTÔnIO - Um projeto!!!!!


Antônio I

Então Antônio caminhava pelas ruas empoçadas. Sentia dentro de si algo que não sabia explicar. Uma leveza, um vazio do bem, como quando se tira de dentro do armário somente aquilo que estava em excesso e ajudava no acumulo do pó.
Seu peito quase que saia pelas ruas, dançando, livre e eufórico. Seus olhos viam tudo como se fosse a primeira vez. Suas mão não guardavam mais a foto gasta, da moça gasta, do amor gasto. Eles estava vazio de passado, vazio de sentimento, vazio de coisas que há muito ele guardava no canto de seu armário imaginário.
Reparou como sua vida ia bem, como tinha motivos para gargalhar, e por quanto tempo se privou de tudo, por devoção a um amor que não existia mais. Claro, não deixava de sentir estranheza, posto que todo o tempo de uma vida, havia agora virado pó, lembrança que não bagunça a alma, programa futil de TV.
Sentia saudades sim, mas do que não vivera. Agora ele entendia que sentia saudades do que poderia ter sido ao lado da moça da foto gasta. Porque ser ele não tinha sido nada. Ao seu lado, se fora alguma coisa, tenha sido, talvez, uma sombra, uma pedra, um pó na estante, uma relíquia...
Antônio andava leve e vazio, não se prometia nada, não olhava para ninguém, não tentava partir para lugar algum, ele só seguia pelas ruas, firme, sem cobranças, sem querer ser ninguém além dele mesmo naquele momento. Sentia algo de felicidade, sentia algo de possibilidade, sentia algo de sua vida noamente. E como era bom.
Agora ele anda e anda, para onde vai não sabe, mas sabe que nunca mais vai deixar de ir, nem nunca mais vai guardar fotos gastas, nem nunca mais vai amargurar seu coração, porque ele via que o mundo era cheio de possibiliades, só bastava seguir andando, em frente!!!!!

Antônio II

Antônio andava. Não sabia bem para onde, mas andava. Meio cambaleando pelo meio fim. Meio sufocado pelo nó que se fizera na garganta. A cabe;ca tilintava feito sino de igreja. Antônio que tinha perdido a fé. Andava. Sem saber onde ia dar o caminho. Sem saber se o fim seria longo ou não. Sem querer enxergar nada.

Desejava esfumaçar o horizonte, para ter desculpas de ficar parado, deitado, sentado, caído. O coração mal se segurava batendo. Estava apertado de torturosa saudade. Andava roto de tão abandonado. Por ele mesmo. Largara seu amor na estação do trem dos amores que não têm coragem. Ele não tinha coragem. Levava nos bolsos algum bilhete dela, que não tinha tido coragem para ler. Levava debaixo da blusa a foto que fazia os olhos refletirem de sol, e a tornava ainda mais bonita.

Ele deseja que ela se tornasse feia. Que ela engordasse. Que perdesse a força. A energia. Pra justificar o adeus que lhe dera. Pouco a pouco ele se consumia. Sabia que ia desejar morrer a vida toda. Ela ia longe agora. Não a reencontraria por surpresa, o que era bom. Mas ao mesmo tempo ruim. Ela em breve o lhe substituiria. Tanta beleza que seria capaz de assustar qualquer um. Mas eram em número bom os corajosos, e estes se encantariam e a ganhariam. Seu presente.

Antônio andava sem rumo. Com dor no peito. Com a incerteza do "se". Com o pecado dos que têm medo demais. Porque Deus havia lhe dado tamanho amor? E tão pouca coragem. Ela jamais entenderia. Deveria pensar que ele não lhe amava o suficiente. Como se fosse possível passar por ela e não amá-la. Como se fosse possível não querê-la para sempre. Como se fosse possível não ter medo.

Pensava no mal que ela carregava. Tanta perfeição. Tanta beleza. Tão sublime aquela mulher. Espantava. Afugentava seus amores. Sofria. Cresceu acreditando ser bem menos bela do que era. Cresceu sem altura do quanto era estonteante como mulher. E ser humano. Ela o amara tanto. Ele podia sentir. Isso piorava tudo. O que fazer?! Antônio só conseguira fugir. Fugir pra longe. E se perder no abismo dos que amam, mas não conseguem viver com isso. Caino na solidão de quem sentirá saudade para sempre. E de quem não terá amor maior no mundo!!!!!

Antônio III

tempo....


(...)

ele virou mais uma folha no calendário...

tempo passava rápido....

mas nem tanto...

fazia-se novo o ano...


mas e ele?

o rapaz que andava pelas calçadas...em meio às chuvas de verão....ele era novo? ou era tdo ele? o mesmo de sempre...

não sabia...ele acreditava no movimento de tudo e todos...mas sentia-se parado...observando....e esperando....o quê ele não sabia bem.

mas era novo o ano...
pessoas pelas ruas prometiam-se vitórias, desapegos, mudanças...todas essas que esperavam o novo ano...

ele não...
sim, era um homem de fé....mas os calendários não lhe tocavam...
prefiria um bom livro, uma boa sombra, uma fotografia que guardava da moça....

já estava gasta...mas ele a contemplava com adoração...
estava longe...tão longe....que doía....mas ele quis isso num tempo passado....agora já não tinha certeza...

mas o ano era novo...então........
o rosto da moça continuava gasto no papel....ele pensava em ligar e desejar uma boa passagem...quem sabe ao ouvir sua voz, tivesse coragem de lhe dizer certas coisas.......como o quanto seu coração era puro arrependimento e saudade....e amor, acima de tudo....mas tinha medo que um outro amor atendesse....esse que poderia ser o novo ombro a embalar os sonhos de sua amada...

não tinha certeza, mas tinha mais medo que coragem...que vontade.....mais uma vez beijou a fotografia....ouviu uns fogos que estavam rompendo à beira mar....pencou que ia chorar.....mas era apenas mais um ano....

vinha o novo ano.....

ele à sombra da velha árvore.....
com um livro que era novo.....e uma foto que era velha....um sentimento que de tão intenso era atemporal.......um maldito medo de alçar vôo....e um pensamento constante.....onde andaria ela?!

a moça....será que estava no mar??? será que desejava algo??? será que pensava nele??? será que um dia lhe ligaria outra vez???

ele e o novo ano, com os velhos arrependimentos......e o sempre novo velho amor....


um dia quem sabe ele cria coragem....seja novo ou não - o ano!!!!

1 comment:

Jethro de LoxLok said...

Esse trecho é muito bom!
Adorei que visitou meu blog, nem sei exatamente a razão de te-lo feito. Mas no counter de registros seu blog estava lá como tendo visitado o meu.
Adorei e Obrigado.
Muito bom!
Parabéns.
Escreva-me.
loxlok.blogspot.com
"E se perder no abismo dos que amam, mas não conseguem viver com isso. Cai na solidão de quem sentirá saudade para sempre. E de quem não terá amor maior no mundo"