Friday, January 18, 2008

Antônio!!!

Antônio andava. Não sabia bem para onde, mas andava. Meio cambaleando pelo meio fim. Meio sufocado pelo nó que se fizera na garganta. A cabe;ca tilintava feito sino de igreja. Antônio que tinha perdido a fé. Andava. Sem saber onde ia dar o caminho. Sem saber se o fim seria longo ou não. Sem querer enxergar nada.

Desejava esfumaçar o horizonte, para ter desculpas de ficar parado, deitado, sentado, caído. O coração mal se segurava batendo. Estava apertado de torturosa saudade. Andava roto de tão abandonado. Por ele mesmo. Largara seu amor na estação do trem dos amores que não têm coragem. Ele não tinha coragem. Levava nos bolsos algum bilhete dela, que não tinha tido coragem para ler. Levava debaixo da blusa a foto que fazia os olhos refletirem de sol, e a tornava ainda mais bonita.

Ele deseja que ela se tornasse feia. Que ela engordasse. Que perdesse a força. A energia. Pra justificar o adeus que lhe dera. Pouco a pouco ele se consumia. Sabia que ia desejar morrer a vida toda. Ela ia longe agora. Não a reencontraria por surpresa, o que era bom. Mas ao mesmo tempo ruim. Ela em breve o lhe substituiria. Tanta beleza que seria capaz de assustar qualquer um. Mas eram em número bom os corajosos, e estes se encantariam e a ganhariam. Seu presente.

Antônio andava sem rumo. Com dor no peito. Com a incerteza do "se". Com o pecado dos que têm medo demais. Porque Deus havia lhe dado tamanho amor? E tão pouca coragem. Ela jamais entenderia. Deveria pensar que ele não lhe amava o suficiente. Como se fosse possível passar por ela e não amá-la. Como se fosse possível não querê-la para sempre. Como se fosse possível não ter medo.

Pensava no mal que ela carregava. Tanta perfeição. Tanta beleza. Tão sublime aquela mulher. Espantava. Afugentava seus amores. Sofria. Cresceu acreditando ser bem menos bela do que era. Cresceu sem altura do quanto era estonteante como mulher. E ser humano. Ela o amara tanto. Ele podia sentir. Isso piorava tudo. O que fazer?! Antônio só conseguira fugir. Fugir pra longe. E se perder no abismo dos que amam, mas não conseguem viver com isso. Caino na solidão de quem sentirá saudade para sempre. E de quem não terá amor maior no mundo!!!!!

No comments: