Tuesday, August 28, 2007

guarda-se amor???

Às vezes eu pergunto pra mim se vale mesmo à pena??!! Essa pergunta se desenha sobre e em decorrência de vários aspectos e situações... Ultimamente se faz em relação ao amor!!!

Vale à pena conservar o amor dentro do peito? E será que temos esse direito/poder??? Será mesmo que isso é possível. Tem momento que o nosso caminho cruza com o de alguém que nos faz tão bem, que realmente queremos preservar o amor que sentimos. Temos a impressão – sempre temos esta impressão – de que se deixarmos este passar, jamais teremos nosso peito tão bem habitado.

Mas será que o amor se dá aos guardados? Até que ponto podemos colocar sentimentos em fundos de armários da alma e retira-los quando bem nos aprouver??? Até que ponto, estes mesmos sentimentos, saem ilesos, sem bolor e ricos de espontaneidade e frescor?

Como podem ver, tenho mais perguntas que respostas, o que não é de todo mal! Talvez, eu penso, que amor não tenha muito a ver com vontade apenas...mas se fosse só sentimento sem consciência, aí seria a paixão, e essa via num zum rápido... Sim, amor requer ações conscientes. A tal tolerância, a tal aceitação dos defeitos, a tal paciência, o tal respeito, e quem sabe, porque não, a tal vontade...têm-se vontade em amar alguém.

E têm-se vontade em preservar este amor...

Só não sei até que ponto os prazos valem nesse quesito. Talvez seja o prazo de um novo amor. Um novo balanço. Um novo olhar. Ou talvez o prazo do esquecimento...

Reticente esquecimento.

rottina

Ando levemente cansada de minha rotina. A mãe que entra sem bater. As roupas que são usadas sem pedir. O irmão que pega o que quer e não visa. As vozes em tempos de se querer silêncio. As companhias quando se quer estar consigo mesmo – ou só!!!
Os olhos curiosos quando buscamos reserva e introspecção. A guerra, quando é paz que o ato de escrever precisa. O desejo dos outros de terem companhia, quando nós, mal podemos estar em nós.
A tristeza quando estamos pulsando de alegria. As lágrimas quando desfilamos em sorrisos. A reprovação quando somos inteiros entregues aos devaneios. O pessimismo quando estamos romanticamente otimistas.
Definitivamente não é fácil estar o tempo todo em torno de outros. É pedir demais pra alma. É muita observação. São tantas as perguntas. Respostas. É muito difícil dividir-se o tempo todo. Muito. Muito difícil, porque temos que nos colocar constantemente no exercício da tolerância, da generosidade, do abster, do adiar, do calar, do...
Um leve cansaço...desses que perturbam um pouco! Eu queria mesmo que fosse tempo de ser somente eu, eu e eu!!! À vezes estamos tão apaixonados por nós mesmos, que não cabe dividir!!!

Friday, August 17, 2007

à la roberta....

...tem uma musiquinha do novo cd da Roberta Sá que diz assim:

..."não deixe idéia de não ou talvez
que talvez atrapalha
não deixe idéia de não ou talvez
que talvez atrapalha"...

...nas reticências de um talvez a gente perde o bem que conquistou...o talvez perdido no furtivo tempo - ah o tempo - se espalha num mundo de dúvidas, cansa, destrói o coração, a alma e a cabeça. Destrói pelo cansaço, pela apatia, pelo que não vem, pela porta que não abre, pelo olho que não vê, pela voz que não se escuta, e principalmente, pelo coração que não se faz ouvir - falta de coragem?
Deixar idéia de não também não faz. Idéia é quase sempre algo vago. Não só funciona quando é não mesmo. Dito com LETRAS maiúsculas, taxativo, acrescido de exclamações!!! Não que é meio sim, meio talvez, meio quem sabe, é quase pior que o fim...porque acaba virando um fim, pelo mesmo cansaço.
Na dúvida masi vale arriscar, nas certezas. Mesmo quando duvidosas. Mais vale um sim que titubeas só no eco do oco da alma - lá dentro onde ninguém escuta, só quem sente. Mais vale um não dito com a dúvida de quem ainda não sabe se é não...pelo menos este não tem volta, o outro não mascarado de talvez, esse cansa, e cansaço é pior que dor, pior que mágoa, pior que briga, pior que raiva, e muito pior que tristeza. Cansaço é coisa desgastada, é coisa que perdeu a cor, é coisa que se usou demais, é coisa velha na essência, é coisa que perdeu a validade...
Melhor não ralentar ao cansaço. Melhor permanecer o frescor. Melhor ser algum ponto, menos reticente. Nesse caso até a interrogação tá valendo mais.


...e tem uma outra - música - cujo texto fala disso:

..."cansei de esperar você"...

Mas continuo acreditando que se a espera fosse por algo menos vago que um talvez, ela certamente não teria se cansado!!!!

Wednesday, August 01, 2007

saudade

saudade

saudaaaaade

saudade

um dia ainda faço essa maldita tatuagem...no pé não mais [dizem que dói horrores]...se bem que todos os lugares que penso em fazer dizem doer muito...saudade dói até quando escrita na pele pra virar poesia ilustrativa daquilo que se carrega ao peito.

eu até queria fazer uma poesia sobre ela...

mas sentir saudade é como que só saber falar sobre o nada...

se bem que saudade é tudo. tudo o que falta?! tudo o que sobra. transborda. afunda. a alma. derruba o peito. afoga o olho. e sorrí o coração. feliz aquele que tem de quem sentir saudade. ah a saudade...