Friday, July 20, 2007

na palavra ombro.

é naquele lugarzinho do ombro que encontro um pouco de paz no meio dessa confusão do mundo. ao mesmo tempo é alí que eu encontro a negação de muitas teorias minhas. teorias feministas e moderninhas, que na real servem bem pra quando a gente só tem mesmo o travesseiro.
os ombros foram feitos pra recolher. as pessoas. secar as lágrimas. repousar as confusões. diminuir a confusões. reconfortar os corações. alí, na cruvinha sombria do ombro. de alguém que passa ao seu redor. de vários amores queridos.
ombro de mãe daqueles que repousam nosso sono de infância. que apaziguam nossas lágrimas pelo joelho ralado. que amparam nossas dores adultas. que nos transportam novamente pro mundo da nossa fantasia de gente pequena. ombro de irmão que faz a gente se sentir em casa sempre, independente o lugar. que traz à tona as rivalidades. que às vezes serve pra dar umas ombradas que dóem. mas que na maioria das vezes nos fazem sorrir por poder ter alguém, talvez o único alguém que você em cinco minutos pode dizer que odeia e logo em seguida morrer de amor, sem perder a credibilidade. ombro de amigo. daqueles cheio de histórias pra contar. aquele que nos carrega meio bambos pelas ruas. aquele da lágrima secreta. aquele do apoio total. e às vezes dos chacoalhões necessários. ombro do silêncio amigo, já diria o nome. ombro de namorado. há, esse parece feito pra nossa cabeça em tamanha exatidão que assusta. a maioria persegue sem parar o dia do encontro com o ombrinho perfeito. pra colocar a cabeça e sentir tudo aquilo que se sente. o lugar onde se pode repousar de uma só vez, os pensamentos, o coração, a alma e o carinho. ombro de alguém que encontrou a gente. ombro perfeito.
deve ser por isso que a gente passa perfume no pescoço. só pra chegar no ombro. e então fazer mais aconchegante esse lugarzinho especial. o ombro é no fundo o pedaço mais imoprtante da gente. nele se carrega a carga da mochila que muitas vezes leva a liberdade na estrada. nele que se carrega o peso das coisas chatas da vida. nele que se carrega os sentimentos. - viu, um pouco mais acima do coração - .

No comments: