Thursday, November 30, 2006

o desencontro!!!


Como diria o "poetinha": a vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida. Eu me pergunto: porque?
Ó céus, porque tudo não poderia - pelo menos vez em quando - dar uma encontradinha? Às vezes é divertido as coisas não se encontrarem ou demorarem até a hora de um encontro, mas confesso, tem vezes que cansa tanto.
No campo dos sentimentos - e sentimentalismos - a arte do desencontro se faz inteiramente mais forte. Daí segue o fluxo: João que ama Maria, que ama Pedro, que está apaixonado por Clara, que anda se insinuando para Beatriz [opa, modernidade à vista - essa adpatação é por minha conta]... E segue-se aí o caminho absolutamente desconexo, de setas desviando de alvos tortos.
E já diria a música do Moska: é a seta no alvo, mas o alvo na certa não espera!!! Porque? Mas porque quando as borboletas atingem alguém, e o alvo destas é você - justamente você - porque você não se enquadra no campo de visão e tiro das pequeninas? [borboleta pequenina - mas o estrago delas é grande]. Porque a gente não é um alvo móvel, destes que se preparam pra receber as flechas? Porque ao mesmo tempo que somos alvos, não podemos ser também os instrutores dos atiradores? [ao invés disso, nós atiramos noutro alvo] Ai, ai, ai...e ai!!!
Seria tão mais fácil se pudéssemos prever, e encaixar tudo certinho no lugar. De fato, seria tudo um pouco tedioso, porém inegavelmente mais fácil [se bem que depende do modo como cada um lida com o tédio]. A ansiedade simplesmente não teria campo de ação. A insegurança do famoso "ligo ou não"? não seria mais necessária. Você não teria que aderir aos malditos joguinhos da paixão, do flerte e essas coisas todas. Malditas regras que parecem um Tratado de Tordesilhas, ninguém vê, mas todo mundo sabe que existe. Regrinhas que fazem você não ligar, porque o outro disse que ligaria, regrinhas que fazem você ter medo de parecer entregue demais.
Saco!!!
Sou totalmente a favor do: vamos dizer a verdade e ponto. Sejamos sinceros povo do meu Brasil. Sejamos verdadeiros, e que a verdade não espante, não machuque, não faça sair correndo. Que a gente não precise mais pisar em ovos, nem se sentir em um tabuleiro de xadrez. Odeio isso!!!
Às vezes acho que as pessoas deveriam ser aducadas para a verdade, isso ia facilitar, e ninguém teria medo de quem fala e diz e pronto. Pra quê ficar jogando? Pra que o lero lero? Pra que? Vamos viver minha gente, vamos falar o que se tem vontade, vamos abrir o coração.

Detesto esse estado patético de ser. Detesto e adoro estar assim. Sei lá.

[tentarei continuar sendo eu, mesmo que isso seja quase como: um filme de ação para uma mocinha romântica (ela pode sair correndo - ou não)...que saiam correndo, eu não to pra churumelas]

JURA!!!

No comments: